domingo, 23 de março de 2008

Finalmente criei o comentado blog.Sempre quis ter um blog, mas por falta de tempo ou pura preguiça mesmo acabava adiando esse desejo.Bem, pretendo escrever sobre tudo.Esse blog não possui um assunto específico até então e a idéia é que seja no começo algo sem grandes pretensões, uma ferramenta de discussões e também algo que me faça escrever com uma certa frequência.Por isso escolhi o nome Bastidores.Porque pretendo escrever sobre tudo que eu sinta vontade ou que eu ache que seja importante de alguma forma ou até mesmo algo insignificante que de alguma forma tenha ocupado um tempo na minha cabeça ou tenha me deixado alguma impressão.Hoje começo escrevendo sobre amizade.E como tenho pouco tempo porque o ônibus é daqui a pouco, vou ser breve e o texto vai ser 100% subjetivo.
Após três semanas fora, volto a Prudente.O feriado foi incrível, muito agito, pouco tempo pra estudar e ler os textos da faculdade,almoços de família, enfim aquela coisa em que você se vê enroscado pra conseguir encontrar todo mundo e não desapontar ninguém.
Mas o que me chamou atenção mesmo foi a transitoriedade da vida!Encontrei a maior parte dos grupinhos que convivi boa parte da minha adolescência e hoje é contraditoriamente feliz e perturbador reencontrá-los.Feliz porque são as pessoas que você conhece e que te conhecem, que vão identificar quando você está bem e quando você dormiu pouco, que sabem quem são seus pais, irmãos, que lembram de você ao ver um filme, ler uma reportagem, ao visitar lugares, que estão prontas pra ouvir suas novidades com interesse e saber todos os detalhes da sua rotina.Esse tipo de coisa é confortante e animador.
Mas perturbador porque você fica ciente de que o tempo passa.E passa rápido.Hoje meus amigos se espalharam pelo mundo , há pessoas trabalhando em navios no exterior, há pessoas nos EUA, há gente em Curitiba,BH,etc...E o saudosismo dessas pessoas e daquilo que elas representaram e ainda representam é muito forte, ainda mais quando você se dá conta de que esse nosso tempo juntos não vai voltar nunca mais.E pra quem ficou por aqui a coisa não deve ser muito melhor, afinal você é obrigado a se reinventar em uma cidade onde as oportunidades de conhecer pessoas não são tão frequentes e onde os restaurantes, clubes e casas noturnas vão te fazer lembrar de pessoas com quem você já conviveu e de quem você guarda ótimas lembranças.
É muito triste voltar e ouvir isso de quem ficou.Ainda mais quando se tratam de pessoas tão especiais.Mas o segredo, pra mim, está em se manter aberto, ter confiança no futuro e na vida e principalmente, não ter medo de se envolver.
Acredito que as amizades sejam uma das coisas mais valiosas e eternas que a vida nos proporciona, esse contato com pessoas diferentes, visões de mundo diferentes, hábitos diferentes, capaz de te transformar e de te fazer passar por situações memoráveis é realmente algo especial e rejuvenescedor.Estar aberto a conhecer pessoas e compartilhar seus gostos, hábitos e vulnerabilidades, é o canal pra se sentir querido e próximo ao outro.É engraçado pensar que ainda exista hoje em dia um medo em se envolver, em se mostrar tal qual você seja, em se aproximar das pessoas.
Enfim, meu conselho é esse: que as memórias fiquem bem guardadas,que as amizades antigas sejam mantidas com muito carinho,e que cada coisa boa que alguém tem a te acrescentar diariamente signifique uma transformação no seu jeito de pensar e agir, mantendo-se aberto.Sempre.Lamentar a transitoriedade da vida e suas fases significa fechar-se quanto ao novo e tentar reviver um tempo que não volta mais, com pessoas que, segundo Heráclito( 100% Ciro isso ) não serão mais as mesmas quando você as reencontrar.
Boa sorte pra todos vocês aonde quer que estejam...E me desejem sorte também.