sábado, 16 de agosto de 2008

A um amigo

Por alguns segundos, abstraiu. Pensou no significado de momentos como aqueles. As pessoas revezavam-se apressadas para falar de si mesmas, um pouco nervosas, com as mãos ocupadas distraidamente em movimentos rápidos e fúgidios, contornavam costuras de bolsos, soltavam e prendiam novamente tic-tacs e presilhas, coçavam o rosto que não coçava. Era engraçado. Seu peito arfava, numa mistura de excitação e vontade de conhecer e ser conhecido. Apreciava esse tipo de coisa.

Foi então que o garoto se levantou. Do alto de seu mais de um metro e setenta, parecia não trazer grandes surpresas. Seu aspecto era sereno, do mesmo modo de suas roupas, simples e bem escolhidas, e de seu jeito de andar.

Era uma pessoa sincera. Gesticulou, explicou e fez-se entender: era um amontoado de coisas. Como saber o por quê dessas coisas? Só sabia disso, a vida é assim, uma sucessão de momentos, fases e gostos, aonde o medo não precisa necessariamente ter seu lugar garantido. Concordou. O medo paralisa as pessoas. E nem as coisas precisam ter uma relação tão bem definida. Sabia do que gostava, sabia que estava ali. Sabia o que queria. E pra que saber mais?

De alguma maneira, pegou-se com lágrimas nos olhos. Singelas, naturais e sublimes. Felizes. Assim, como a vida, as pessoas à sua volta e os momentos como aqueles. Sentiu vontade de que aqueles quatro anos e meio, com aquelas pessoas especialmente únicas e unidas, demorassem a passar. E que fossem daquele jeito, cheios de descobertas, até mesmo na última aula de uma sexta-feira à noite.

4 comentários:

Alice Agnelli disse...

"nossa, sabe, e me deu uma vontade de chegar logo em casa, tomar um banho e sentar na frente do computador para escrever.."

tá aí.
sensacional.

Clara disse...

"prendiam novamente tic-tacs e presilhas"

isso sou eu. total.
e sem falar do "e ficavam muito nervosas diante de erros inocentes, como a singela imagem de um-repórter-simpson-que-poderia-não-ter-nada-a-ver-com-william-bonner-e-sua-polêmica-mas-nos-olhos-da-professora-teve"

e eu queria muito ter visto sua apresentação, tulio!
Tenho certeza de que iria ser uma das melhores ;)

fabio-lombardi disse...

E sera que nao somos mesmo egoistas disfarcados de nem sei mais o que?

Fontes disse...

eu que sou muito metido mas o garoto sereno com roupas simples sou eu?