segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Imagem, valores e a falta de sono

Quase não escrevi esse post. Mas decidi que era importante. Que era uma ótima forma de estravasar a desesperança que estou sentindo agora. Por desesperança, leia-se: falta de sono. Quando durmo pouco, sou dado a reflexões pessimistas, sentimentalismos e desesperanças. Seria tão mais fácil ficar bocejando, mas não...

Tudo começou bem, com uma aula fantástica das quais há tempos não tinha na ECA. Levantou-se o seguinte ponto, o qual achei interessantíssimo, a partir das reflexões de Hegel: na sociedade em que vivemos, a sociedade do espetáculo, houve uma inversão na relação entre conceito e imagem.

Se antes, no século XIX, valorizava-se chegar a conceitos a partir de imagens, da apreensão e percepção do real, atualmente a ordem das coisas se inverteu: na sociedade técnica do século XXI busca-se chegar a imagens, perdendo-se, no meio do caminho, a importância dos conceitos. É o que passou a ser chamado de Idealismo da Imagem.

Tudo funciona em torno das imagens atualmente. E o lado lúdico do papel da imagem, isto é, aquele que concerne ao imaginário e suas infinitas potencialidades, espaço de criatividade e distinção do ser humano, vai sendo também deixado de lado a medida que a imagem, apresentando desta vez sua faceta mais perversa, passa a servir como sistematizador de normas e convenções e, acima de tudo, legitimador de hábitos e ideologias, atuando de forma opressora.

Perde-se a diferença por impor-se o império do sempre-igual. E aí entra o que sempre me atraiu: a diferença e o diferente. O pensar diferente, o propor, o agir, as idéias, as iniciativas. O questionar e o transgredir.

Enfim, pode ser que seja uma boa idéia canalizar a agressividade da falta de sono para coisas produtivas.

3 comentários:

Fontes disse...

Orra, e isso não foi produtivo? Talvez você devesse começar a jogar na bolsa ou faxinar a casa de madrugada, então.

Maria Joana disse...

madrugadas são ótimas... eu que o diga.

Queria ter conversado mais com você ontem à noite. Desculpa. Senti que você tinha muito para falar, tava pulsando em você, sabe? Mas eu estava pregada de sono.

Alice Agnelli disse...

hahahaah

o Fontes falou tudo.
de uma forma bem engraçada.