sábado, 15 de agosto de 2009

Tempo



Olhei as fotos e pensei ter vivido anos. Esqueci que foram apenas semestres. Desnecessário dizer que, de lá pra cá, minha vida se dá em semestres e não mais em anos como antigamente. Foram tantos momentos!

Recordo-me de sensações. De sentimentos abstratos, de climas. De como as fotos foram tiradas. Das pessoas envolvidas e suas impressões. Das primeiras impressões. Que engraçado!

Assusto-me. Lembrei do começo, bem do comecinho. Vindo do interior, com um gás total e absurdo. Tudo novo. Medo do sentimento de envelhecer. Do sentimento de passagem, de efêmero. Do tempo que passa. Hoje parece que tudo é tão...conhecido. Apesar de eu sempre lidar com o desconhecido semestralmente, como costumo dizer. Estranho. Foi algo que fiquei pensando e que, confesso, odeio ter de dizer - ou escrever - dado que não sou de tristezas.

Nem sei se de fato esse sentimento se configura como tristeza. Na verdade, tudo fica no campo da nostalgia. E, para ser sincero, acho que não estou - ou melhor, não estamos - acostumados a lidar com sentimentos nostálgicos. Deveríamos, afinal, o que somos nós senão uma história em construção?

Este post, por exemplo, já pertence ao passado.

2 comentários:

Du Graziani disse...

Poxa. Tenho saudades dessa época. Todos se conhecendo, as pessoas se descobrindo. Nenhum "a priori" que nos impedisse. Cá entre nós, que passados alguns semestres, como vc bem colocou, existem alguns, não é mesmo ?!
Graças a Deus, eu me sinto acolhidíssimo nessa turma. Completaram uma lacuna que faltava pro Sorriso virar Eduardo. Um cara, que como vc tb escreveu, está em construção, como todos nós.

Eu coloco os tijolos, vcs são o cimento.

bj

Xenya Bucchioni disse...

É muito ruim perceber como, ao longo do semestre, ressentimentos vão se criando, muitas vezes, pelos motivos mais pequenos. Acho que o esforço maior de toda sala de faculdade é, justamente, não se deixar apequenar.