quinta-feira, 8 de julho de 2010

O segredo dos outros

Sempre pensara no segredo dos outros. O que não lhe revelam, o que fingem, o que escamoteiam. Sabe-se lá porque. Às vezes, nem motivos poderia haver - e sabia disso. Mesmo assim, de quando em quando e, na maior parte dos casos, das vezes que encontrava alguma figura de seu passado incerto, se perguntava se não havia algo sendo escondido.

A rotina, os vícios, os efeitos aparentes: tudo poderia parecer extremamente normal. Assim quem fala o pretende. Mas seria de fato normal? Rotineiro, ordeiro?

Estranho. Uma coisa lhe parecia certa: essa era a sua sensação de insegurança se materializando na fala dos outros. E não seria nem um pouco surpreendente que esse sentimento surgisse, mesmo que agora totalmente descabido, com quem pouco significa hoje. Mas que antes, talvez houvesse uma sombra de excitação em torno dessas figuras. Engraçado, olhar e não enxergar nada - apenas sentir uma sombrinha daquela impressão que um dia fora assim tão grande.

Tão grande que quase não deixava espaço para si mesmo. Infantil, de crescimento, de aceitação.

Um comentário:

Clara Coelho disse...

Os fantasmas, que outrora eram estrelas, parecem diminuir de tamanho a cada passo que damos.. Dále! heheh:)
Que delicia que vc me encontrou e assim agora compartilhamos nossas mais profundos sentimentos, ainda que virtualmente!!
Estou de férias em Campinas,quietinha me recuperando de uma cirurgia( boobs job, hehe).. Da próxima vez que eu for a Sampa, vc é meu! hehehe
Vc vai pra FLIP ? Seria muuito legal te encontrar lá!
beijos, Túlio,querido!
ah, outro dia fiz a geléia de morango e lembrei de vc!!