sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Maio de 68 - "É proibido proibir"


"Entretanto, é verdade, nós somos culpados de lhes fazer ter medo, de ter sonhado uma imaginação no poder e de ter reivindicado um mundo mais justo e mais solidário. Nós somos culpados de ter desejado lançar uma questão a qual vocês jamais souberam responder até hoje. 'É proibido proibir'. [...] Eu proibo o proibir mesmo reconhecendo a impossibilidade de proibir o proibido, mesmo sabendo que no fundo de cada indivíduo, o mistério do proibido se recoloca sobre nossa vontade de decifrá-lo lentamente, mas passionalmente e à loucura de nossos desejos mais profundos. A irrupção do desejo e da ironia no espaço político foi talvez o fato mais revolucionário dessa época"

"E eu?
Eu amei essa revolução. Loucura, contentamento e prazer. Revolta lúdica e delirante. Tenho diante de mim um trabalho de Sísifo: como contar, descrever, explicar a meu filho esse momento passado da minha história?"

Daniel Cohn-Bendit, líder estudantil francês, de origem alemã, um dos principais articuladores do maio de 1968 francês. Artigo pro livro "Mai 68", sobre a revolução que começou com os estudantes franceses ocupando universidades como Sorbonne e Nanterre, lançando barricadas nas ruas, agitando e unindo-se ao movimento operário - culminando com greves gerais de trabalhadores e ocupações de fábricas por todo o país.

Durante mais de um mês, a França parou. E tudo começou nas salas de aula - emocionante. No entanto, nem tudo foram flores. Para animar quem acha difícil ter esperanças, o título de um manifesto feito por estudantes da cidade de Strabourg, na fronteira da França com a Alemanha, no começo das manifestações:

"Da miséria do meio estudantil: considerado sobre seus aspectos econômicos, políticos, psicológicos, sexuais e principalmente intelectuais"


Pensemos um pouco. Quantas não foram e não são as probições, as mais banais e sutis e mesquinhas, a que fomos e somos submetidos todos esses anos em espaços pilares da sociedade, das casas às escolas às vilas e feiras?

Nenhum comentário: