domingo, 24 de junho de 2012

Calma, mansa e quente - nos meus ápices

02:07 da manhã. Final de semestre. Um trabalho final e um trabalho - de verdade - para se pensar e aceitar. Cansaço acumulado, noites mal-dormidas(há de se ser social, também), supermercado para fazer.

E a sensação mais linda, leve e de completude ao passar uma tarde e noite e começo de madrugada de domingo com outras 15, 20 pessoas, pensando na melhor forma de agir e tocar uma organização. Satisfação de estar vivo, de fazer parte disso, de ousar estar aqui e reunir forças e energias aqui, nesse projeto. E isso não é heróico; não somos mártires, melhores ou piores do que ninguém. Nem mais dignos; nada disso. Nem temos o caminho correto. Estamos tentando e vivendo em coletivo, com divergências e sínteses. E aprofundando todo um debate e uma prática. E não estaremos sozinhos nessa caminhada.

Mas estamos aí: dedicando tempo e vidas - subjetivas e coletivas e na tentativa de serem cada vez mais emancipadas subjetiva e coletivamente - a algo que nos liberta...E nos mostra que é possível e é simples de se viver na esteira de outros espaços, de outras relações sociais, de outra prática política, outro mundo...

Orgulho e felicidade...Daquelas que é calma, mansa e quente. Que te deixam leve e te fazem esquecer que amanhã é segunda. Felicidade sem crise, espontaneísta, sem cobraças, dúvidas ou freios. Só isso que peço e que quero sentir nos meus ápices - de atos, falas, músicas, danças ou amor.

E essa música maravilhosa para terminar a noite.

Quero - Elis Regina (http://www.youtube.com/watch?v=tMCbgRHspcs)
Quero ver o sol atrás do muro
Quero um refúgio que seja seguro
Uma nuvem branca sem pó, nem
fumaça
Quero um mundo feito sem porta ou
vidraça
Quero uma estrada que leve à verdade
Quero a floresta em lugar da cidade
Uma estrela pura de ar respirável
Quero um lago limpo de água potável

Quero voar de mãos dadas com você
Ganhar o espaço em bolhas de sabão
Escorregar pelas cachoeiras
Pintar o mundo de arco-íris

Quero rodar nas asas do girassol
Fazer cristais com gotas de orvalho
Cobrir de flores campos de aço
Beijar de leve a face da lua

Nenhum comentário: